martes, 9 de agosto de 2011

El amigo Caetano






Mangabeira deve ser ouvido porque ele destoa dos papos costumeiros
Minha amiga Heloisa Chaves me pergunta, brincando, se quero que os brasileiros se orientem pelas falas de Mangabeira no YouTube (http://bit.ly/robertounger ) se nem todos os brasileiros entendem inglês. Isso porque há uma série de vídeos sobre a crise econômica (além de outros, interessantíssimos, de temática religiosa e filosófica) dirigidas a um público global, quando não especificamente a estudantes americanos, todos em inglês. Mas os vídeos que recomendo aos brasileiros têm por título “Alternativa nacional”, e em todos Mangabeira fala português. Uma outra amiga, Suely, diz não entender o português do professor. Diferentemente de Heloisa, Suely não o faz (ao menos aparentemente) em tom de piada. Ela se queixa de que o sotaque dele a impede de compreender as palavras. Me pede que eu comente aqui as falas para que ela possa saber o que é que ele diz. Claro que eu não acreditei nela. Mangabeira tem um sotaque peculiar, mas fala pausado e com grande clareza.

Eu me lembro de ter um dia escrito aqui que seus erres retroflexos não se justificavam. Ouvindo essas palestras me dei conta de que, embora ele tenha aspectos fortes de pronúncia americana em sua fala, seus erres não são retroflexos (palavra que acho que aprendi com Heloisa, no tempo do blog Obra em Progresso, de feitura do CD “Zii e Zie”). Os erres de Mangabeira são linguodentais, nunca guturais ou aspirados, mas são tão límpidos quanto os de um cantor de ópera. Nada dos erres molhados e moles do inglês americano. Há mais estranhezas em algumas vogais (e outras consoantes, como o T ou o P) do que nos erres. Seja como for, o português de Mangabeira é excelente e claríssimo — e suas ideias, brilhantes.

Trata-se de brilho retórico com resquícios baianos mas sem dar a impressão de superfluidade. Mangabeira tem muito apreço pelo desenrolar da inteligência por entre as palavras. Mas não faz disso o fim último de seu discurso. A entrada direta na arte substancial dos assuntos de que trata é exigência primeira em suas manifestações. De resto, seu inglês tampouco é “normal”. Há uma estilização, uma empostação, que o distanciam do falar do americano comum. É um inglês totalmente americano, mas sem que se possa dizer de que parte dos Estados Unidos. É um inglês, mais do que da academia, do projeto pessoal único de Mangabeira. Em português ou em inglês, temos de enfrentar a peculiaridade desse pensador generoso, porém exigente — e nada preguiçoso.

Já começamos com o reconhecimento do papel importante que pode e deve desempenhar na História futura do Brasil a nova classe média, que veio de baixo e que muitas vezes se reúne em igrejas neopentecostais e desenvolve uma cultura de autoajuda. Sobre essa classe média Mangabeira vem falando há muito tempo, desde bem antes de ela se tornar tão conspicuamente numerosa. Podemos dizer que ele foi seu profeta. É esse tipo de coisa que sempre me atraiu no professor de Harvard. Ele percebe as possibilidades singulares do nosso país e busca pensar com coragem e lucidez sobre como fazer-nos realizá-las. Ele fala da grande vitalidade, “anárquica, quase cega”, do Brasil — e de nossa tragédia em não termos ainda achado os meios de encaminhá-la. Essa nova classe média consegue esboçar caminhos — e servir de guia e líder à multidão de emergentes que a seguirá. Mangabeira lembra que Getúlio Vargas promoveu uma revolução ao pôr o Estado a serviço das forças organizadas da sociedade brasileira no meio de século XX. E que agora a revolução seria o Estado pôr-se ao serviço da maioria que quer seguir a vanguarda representada por essa nova classe média.

Não vou parafrasear suas falas (sempre meio mal: é difícil, mesmo escrevendo, achar as palavras adequadas com tanta precisão quanto esse orador). Ou seja, vou ter que frustrar Suely e insistir em pedir que assistam aos vídeos. Posso, no máximo, chamar a atenção para trechos que possam servir de atrativo para curiosos. “ Precisamos construir um modelo de desenvolvimento baseado em ampliação de opor tunidades para aprender, para trabalhar e para produzir”;“A política industrial do Brasil consiste tradicionalmente em apoiar um pequeno número de grandes empresas sob o pretexto de transformá-las em campeãs mundiais. Enquanto isso, as pequenas e médias empresas, que geram a maioria esmagadora dos empregos, carecem de acesso a crédito e a tecnologia”. Tudo o que destoa da combinação de marxismo encolhido (que abandonou o ímpeto transformador e reteve o fatalismo histórico) com cópia das ideias econômicas neoliberais, combinação essa que é a língua franca da alta cultura brasileira, é rotulado de voluntarismo romântico — queixa-se Mangabeira. Eu, que uma vez fui chamado de arrogante por ter respondido “Sim” à pergunta “Você acha que o Brasil pode dar certo?” com a explicação de que isso é “Porque eu quero”, sou irresistivelmente atraído por esse suposto voluntarismo.

Tudo o que destoa me interessa. Mangabeira deve ser ouvido porque ele destoa dos papos costumeiros. Mas não só. Faz anos que me proponho a fazer propaganda das atividades teóricas e das propostas práticas de Roberto Mangabeira Unger. Nunca me arrependi. Vendo esses vídeos — mesmo em meio a todas as urgentes novidades do noticiário nacional e internacional — me senti mais uma vez no dever de convidar meus compatriotas a atentarem mais para quem tem tanto a dar e demonstra tanto desejo de fazê-lo.


Caetano Veloso

O Globo - 07/08/2011